quarta-feira, 15 de fevereiro de 2012

MARCHINHAS CARNAVALESCAS - CONHEÇA OS SEUS COMPOSITORES

Você conhece alguma marchinha de Carnaval? Elas podem até ter caido no esquecimento, mas antigamente ocupavam o lugar do atual samba enredo.
Com letras divertidas e refrões fáceis de decorar, elas fizeram a alegria de muitos foliões. Confira e surpreenda-se ao descobrir quantas letras você conhece.


"Abre Alas"
Ó abre alas que eu quero passar
Ó abre alas que eu quero passar
Eu sou da lira não posso negar
Eu sou da lira não posso negar
Ó abre alas que eu quero passar
Ó abre alas que eu quero passar
Rosa de ouro é que vai ganhar
Rosa de ouro é que vai ganhar
Essa foi a primeira marchinha da história do Carnaval brasileiro e animou os bailes cariocas por três anos consecutivos. Foi composta por Chiquinha Gonzaga para o cordão carnavalesco Rosas de Ouro. Vale lembrar que Chiquinha foi a primeira mulher a tocar em uma orquestra brasileira. Ela foi retratada na telinha pela atriz Regina Duarte (foto acima), em minissérie que levou o mesmo nome da compositora.

" A Pipa do Vovô"
A pipa do vovô não sobe mais
A pipa do vovô não sobe mais
Apesar de fazer muita força, o vovô foi passado pra trás!
A pipa do vovô não sobe mais
A pipa do vovô não sobe mais
Apesar de fazer muita força, o vovô foi passado pra trás!
Ele tentou mais uma empinadinha
A pipa não deu nenhuma subidinha
Ele tentou mais uma empinadinha
A pipa não deu nenhuma subidinha
A pipa do vovô não sobe mais
A pipa do vovô não sobe mais
Apesar de fazer muita força, o vovô foi passado pra trás!
Esta foi composta por Manoel Ferreira e Ruth Amaral na década de 80. Muita gente credita “A Pipa do Vovô” a Silvio Santos. Mas na verdade ele é responsável apenas por popularizar a marchinha em sua voz.

"Maria Sapatão" 
Maria Sapatão
Sapatão, Sapatão
De dia é Maria
De noite é João
O sapatão está na moda
O mundo aplaudiu
É um barato
É um sucesso
Dentro e fora do Brasil
Quem nunca ouviu ao menos o refrão desta marchinha? Ela foi popularizada pela voz do eterno Chacrinha. Foi composta por ele na companhia de João Roberto Kelly, em 1950.

"Chiquita Bacana"
Chiquita bacana lá da Martinica
Se veste com uma casca de banana nanica
Não usa vestido, não usa calção
Inverno pra ela é pleno verão
Existencialista com toda razão
Só faz o que manda o seu coração
Foi sensação em vários Carnavais. Composta por Alberto Ribeiro e João de Barro, o Braguinha, em 1948, esta marchinha inspirou os versos de “A Filha da Chiquita Bacana”, música de Caetano Veloso.

"O Teu Cabelo Não Nega"
O teu cabelo não nega mulata
Porque és mulata na cor
Mas como a cor não pega mulata
Mulata eu quero o teu amor
Tens um sabor bem do Brasil
Tens a alma cor de anil
Mulata mulatinha meu amor
Fui nomeado teu tenente interventor
Quem te inventou meu pancadão
Teve uma consagração
A lua te invejando faz careta
Porque mulata tu não és deste planeta
Quando meu bem vieste a terra
Portugal declarou guerra
À concorrência então foi colossal
Vasco da Gama contra o batalhão naval
Foi a sensação do Carnaval de 1932 e explodiu nas Avenidas. A letra original foi criada pela dupla pernambucana João e Raul Valença, mas o toque carioca veio de Lamartine Babo, que fez da música uma excepcional homenagem para a mulher negra brasileira. Uma curiosidade é que na época da ditadura as letras de Lamartine foram censuradas pelo Estado Novo de Getúlio Vargas.

"Aurora" 
Se você fosse sincera
Ô Aurora
Veja só que bom que era
Ô Aurora 
Um lindo apartamento
Com porteiro e elevador
E ar refrigerado
Para os dias de calor
Madame antes do nome
Você teria agora
Ô Aurora
Acredite. Esta marchinha foi criada em apenas um dia, porém, ganhou os Carnavais da época e ainda permanece viva em muitas memórias. Foi composta em uma quarta-feira de cinzas, por Mario Lago e Roberto Roberti, em 1941.

"Mamãe Eu Quero"
Mamãe eu quero, mamãe eu quero
Mamãe eu quero mamar!
Dá a chupeta, dá a chupeta, ai, dá a chupeta
Dá a chupeta pro bebê não chorar!
Dorme filhinho do meu coração
Pega a mamadeira em vem entra no meu cordão
Eu tenho uma irmã que é fenomenal 
Ela é da bossa e o marido é um boçal
Eu olho as pequenas, mas daquele jeito
E tenho muita pena não ser criança de peito
Eu tenho uma irmã que se chama Ana 
De piscar o olho já ficou sem a pestana
Foi gravada em 1937, mas só ficou conhecida em 1941, após ser regravada pela diva Carmem Miranda. A composição é de Jararaca e Vicente Paiva. Vale lembrar que ao ser que levada por Carmem Miranda aos Estados Unidos, esta marchinha chegou a ser gravada por Bill Crosby, que até hoje é considerado um dos maiores cantores populares do século XX.

"Yes, Nós Temos Bananas"
Yes, nós temos bananas
Bananas pra dar e vender
Banana menina tem vitamina
Banana engorda e faz crescer
Vai para a França o café, pois é
Para o Japão o algodão, pois não
Pro mundo inteiro, homem ou mulher
A música original nasceu da contraditória frase "Yes, we have no bananas", pronunciada por um grego sem a menor familiaridade com o inglês. Quinze anos mais tarde, os compositores Braguinha e Alberto Ribeiro fizeram a marchinha carnavalesca "Yes, Nós Temos Bananas”, como uma sátira aos próprios americanos. Uma forma super divertida de mostrar que “nada se cria, tudo se copia”.

"Cabeleira do Zezé"
Olha a cabeleira do Zezé
Será que ele é
Será que ele é
Será que ele é bossa nova
Será que ele é Mané
Parece que é transviado
Mas isso eu não sei se ele é
Corta o cabelo dele!
Corta o cabelo dele!
Esta aqui nasceu como uma sátira aos homens que usavam cabelo comprido na década de 60. Nesta época o estilo ainda não havia sido muito bem aceito e a letra de João Roberto Kelly transformou a nova moda em diversão.

"Me Dá Um Dinheiro Aí"
Ei, você aí!
Me dá um dinheiro aí!
Me dá um dinheiro aí! 
Não vai dar?
Não vai dar não?
Você vai ver a grande confusão
Que eu vou fazer bebendo até cair
Me dá me dá me dá, ô!
Me dá um dinheiro aí!
Esta dispensa comentários, pois vira e mexe, seu refrão reaparece em alguma brincadeira. A marchinha se tornou um hino no Carnaval de 1960 e foi popularizada na voz de Moacir Franco. Foi composta por Ivan, Homero e Glauco Ferreira, em 1959.

"Saca Rolha"
As águas vão rolar
Garrafa cheia eu não quero ver sobrar
Eu passo mão na saca saca saca rolha
E bebo até me afogar
Deixa as águas rolar
Se a polícia por isso me prender
Mas na última hora me soltar
Eu pego o saca saca saca rolha
Ninguém me agarra ninguém me agarra
Esta aqui ganhou as ruas no Carnaval de 1954 e conquistou o prêmio do concurso de músicas carnavalescas. A curiosidade está no nome casal Zé da Zilda e Zilda do Zé, que compuseram a música em parceria com Waldir Machado. Com um nome assim, só podia dar samba, não é? 

"Sassaricando"
Sassassaricando
Todo mundo leva a vida no arame
Sassassaricando
A viúva o brotinho e a madame
O velho na porta da Colombo
É um assombro
Sassaricando
Quem não tem seu sassarico
Sassarica mesmo só
Porque sem sassaricar
Esta letra é um marco entre as marchinhas e foi composta para uma peça de teatro em 1952. A música surpreendeu de tal forma, que mudou o nome da peça de “Jabaculê de Penacho”, para “Eu Quero Sassaricar”. A coisa ficou tão boa que virou até novela. Em 1988, a Globo exibiu uma adaptação da peça “Sassaricando” para a TV, que contou com a participação da atriz Claudia Raia. E a marchinha, é claro, foi música tema da novela. Foi regravada por ninguém menos que Rita Lee. 

"Cidade Maravilhosa"
Cidade Maravilhosa
Cheia de encantos mil
Cidade Maravilhosa
Coração do meu Brasil
Cidade Maravilhosa
Cheia de encantos mil
Cidade Maravilhosa
Coração do meu Brasil
Berço do samba e das lindas canções
Que vivem n'alma da gente
És o altar dos nossos corações
Que cantam alegremente
Jardim florido de amor e saudade
Esta “princesa” entre as marchinhas foi composta por André Filho, em 1935, e após 30 anos foi escolhida como hino oficial do Rio de Janeiro. É quase um clássico da música popular brasileira. Esta marchinha é tradicionalmente tocada no fim dos bailes carnavalescos para anunciar que a festa está próxima de acabar.

"Cachaça"
Você pensa que cachaça é água
Cachaça não é água não
Cachaça vem do alambique
E água vem do ribeirão
Pode me faltar tudo na vida
Arroz feijão e pão
Pode me faltar manteiga
E tudo mais não faz falta não
Pode me faltar o amor
Há, há, há, há!
Isto até acho graça
Só não quero que me falte
A danada da cachaça
Você é um daqueles foliões que fazem de tudo um bom motivo para levantar o copo? Eis aqui a marchinha que lhe dedicamos neste Carnaval. Composta por Mirabeau Pinheiro esta letra foi sucesso no Carnaval de 1953. Não se pode negar que ela é um verdadeiro melô para os beberrões de plantão. E se fosse escrita nos dias de hoje teria o bordão: “Se beber não dirija”.

Nenhum comentário:

Postar um comentário